Carregando ...

Bruxismo

Seja bem-vindo à nossa clínica odontológica em BH. A origem do termo data de 1907, quando foi utilizada por Marie & Pietkiewicz como La bruxomanie (bruxomania em portuquês) derivado da palavra grega brychein que significa triturar ou ranger os dentes com a terminação mania, cujo significado é compulsão. Devido a este último significado, a palavra foi rebatizada como bruxismo e o fenômeno acontece em adultos e crianças.


Pesquisas apontam a ansiedade como fator importante relacionado ao bruxismo, mas pode estar associado também a medicamentos anti- depressivos, tratamentos dentários inadequados prévios ou em andamento, transtornos de déficit de atenção e hiperatividade, infecções, processos alérgicos das vias aéreas superiores e principalmente desordens do sono.


 

Apesar de sua causa ainda ser uma incógnita, o bruxismo vem sendo cada vez mais estudado, levando ao surgimento e aprimoramento das técnicas de tratamento. Como conseqüência, dependendo de sua intensidade, ocorre desgaste dos dentes ao longo dos anos, dores de natureza variadas: dor nos dentes, dor facial ou de cabeça – sempre matutina e que passa após algumas horas – normalmente associado ao cansaço ou fadiga no maxilar. Algumas destas dores faciais são devido ao cansaço dos músculos que trabalham à noite e também à eventual inflamação traumática da própria articulação têmporo-mandibular.

O tratamento, principalmente em adultos, é a placa de acrílico noturna ou estabilizadora (placa miorrelaxante). Ela melhora a posição da mandíbula e dos músculos e a circulação do sangue. O papel do cirurgião-dentista é, além de tratar as conseqüências do bruxismo, prevenir que o sistema como um todo continue sendo lesado. Se o paciente apresenta dor associada ao bruxismo e a placa não for suficiente, ou se o problema estiver em um estágio mais avançado, é necessário recorrer a outros tratamentos: fisioterapia que consistirá em exercícios para reabilitação e alongamento da musculatura, medicamentos por via oral e, apesar de pouco comum, eventualmente, infiltrações medicamentosas em pontos dolorosos dos músculos.

Ponte fixa estabilizadora (placa miorrelaxante). Ela melhora a posição da mandíbula e dos músculos e a circulação do sangue. O papel do cirurgião-dentista é, além de tratar as conseqüências do bruxismo, prevenir que o sistema como um todo continue sendo lesado. Se o paciente apresenta dor associada ao bruxismo e a placa não for suficiente, ou se o problema estiver em um estágio mais avançado, é necessário recorrer a outros tratamentos: fisioterapia que consistirá em exercícios para reabilitação e alongamento da musculatura, medicamentos por via oral e, apesar de pouco comum,

  

Nos dias atuais, podemos proporcionar aos nossos pacientes mais conforto, confiabilidade e bem estar com tratamentos protéticos avançados. As próteses removíveis podem ser substituídas por trabalhos fixos, estéticos, devolvendo ao paciente o conforto da fala e o prazer do paladar.

Conseqüências do bruxismo

O esmalte dentário é o primeiro a receber os prejuízos do Bruxismo causando assim o desgaste anormal dos dentes. Pode provocar ainda, dores na articulação temporomandibular (ATM).



Divisões

Pode ser dividido em:

  • - Cêntrico — Ato de apertar os dentes.
  • - Excêntrico — Ato de apertar os dentes e movimentar a mandíbula lateralmente (Ranger de dentes)

Em muitos casos se faz necessário o uso de placas para evitar o desgaste dos dentes e diminuir possíveis dores na articulação. Os dentistas são os profissionais indicados para fazer o tratamento.

Bruxismo e estágio 2 de sono

O bruxismo ocorre principalmente durante o estágio 2 de sono não-REM.
Disfunções têmporo-mandibulares são afecções resultantes do funcionamento anormal de qualquer estrutura relacionada à Articulação temporomandibular (ATM) podendo ser tanto da parte muscular mastigatória, ligamentar e nervosa, na região buço-facial ou cervical. Pode ter como consequência dores de cabeça ou pescoço, ruídos articulares (estalos), zumbidos ou plenitude no ouvido, limitação de abertura bucal, desgaste nos dentes e dificuldades na mastigação. De etiologia ainda não definida, acredita-se que o stress seja o principal desencadeante, além de hábitos deletérios de bruxismo, trauma na região da cabeça e pescoço, má-postura e má-oclusão.


Bruxismo


A origem do termo data de 1907 quando foi utilizada por Marie & Pietkiewicz como La bruxomanie (bruxomania em portuquês) derivado da palavra grega brychein que significa triturar ou ranger os dentes com a terminação mania, cujo significado é compulsão. Devido a este último significado, a palavra foi re-batizada como bruxismo e o fenômeno acontece em adultos e crianças. Pesquisas apontam a ansiedade como fator importante relacionado ao bruxismo, mas pode estar associado também a medicamentos anti- depressivos, tratamentos dentários inadequados prévios ou em andamento, transtornos de déficit de atenção e hiperatividade, infecções, processos alérgicos das vias aéreas superiores e principalmente desordens do sono.


Apesar de sua causa ainda ser uma incógnita, o bruxismo vem sendo cada vez mais estudado, levando ao surgimento e aprimoramento das técnicas de tratamento. Como conseqüência, dependendo de sua intensidade, ocorre desgaste dos dentes ao longo dos anos, dores de natureza variadas: dor nos dentes, dor facial ou de cabeça – sempre matutina e que passa após algumas horas – normalmente associado ao cansaço ou fadiga no maxilar. Algumas destas dores faciais são devido ao cansaço dos músculos que trabalham à noite e também à eventual inflamação traumática da própria articulação têmporo-mandibular.


O tratamento, principalmente em adultos, é a placa de acrílico noturna ou estabilizadora (placa miorrelaxante). Ela melhora a posição da mandíbula e dos músculos e a circulação do sangue. O papel do cirurgião-dentista é, além de tratar as conseqüências do bruxismo, prevenir que o sistema como um todo continue sendo lesado. Se o paciente apresenta dor associada ao bruxismo e a placa não for suficiente, ou se o problema estiver em um estágio mais avançado, é necessário recorrer a outros tratamentos: fisioterapia que consistirá em exercícios para reabilitação e alongamento da musculatura, medicamentos por via oral e, apesar de pouco comum, eventualmente, infiltrações medicamentosas em pontos dolorosos dos músculos.


Ponte fixa estabilizadora (placa miorrelaxante). Ela melhora a posição da mandíbula e dos músculos e a circulação do sangue. O papel do cirurgião-dentista é, além de tratar as conseqüências do bruxismo, prevenir que o sistema como um todo continue sendo lesado. Se o paciente apresenta dor associada ao bruxismo e a placa não for suficiente, ou se o problema estiver em um estágio mais avançado, é necessário recorrer a outros tratamentos: fisioterapia que consistirá em exercícios para reabilitação e alongamento da musculatura, medicamentos por via oral e, apesar de pouco comum, eventualmente, infiltrações medicamentosas em pontos dolorosos dos músculos.


Nos dias atuais, podemos proporcionar aos nossos pacientes mais conforto, confiabilidade e bem estar com tratamentos protéticos avançados. As próteses removíveis podem ser substituídas por trabalhos fixos, estéticos, devolvendo ao paciente o conforto da fala e o prazer do paladar.


Conseqüências do bruxismo


O esmalte dentário é o primeiro a receber a atrição do Bruxismo, causando desgaste anormal nos dentes. Pode provocar também dores na articulação temporomandibular (ATM), retrações gengivais e fraturas de dentes.


Pode ser dividido em dois tipos:


- Cêntrico — Ato de apertar os dentes.

- Excêntrico — Ato de apertar os dentes e movimentar a mandíbula lateralmente (ranger de dentes).

Em muitos casos se faz necessário o uso de placas para evitar o desgaste dos dentes e diminuir possíveis dores na articulação. 


Bruxismo e estágio 2 de sono


O bruxismo ocorre principalmente durante o estágio 2 de sono não-REM.

Disfunções têmporo-mandibulares são afecções resultantes do funcionamento anormal de qualquer estrutura relacionada à Articulação temporomandibular (ATM) podendo ser tanto da parte muscular mastigatória, ligamentar e nervosa, na região buço-facial ou cervical. Pode ter como consequência dores de cabeça ou pescoço, ruídos articulares (estalos), zumbidos ou plenitude no ouvido, limitação de abertura bucal, desgaste nos dentes e dificuldades na mastigação. De etiologia ainda não definida, acredita-se que o stress seja o principal desencadeante, além de hábitos deletéricos de bruxismo, trauma na região da cabeça e pescoço, má-postura e má-oclusão.